“Eu fui criado em uma bairro muito simples e meus pais sempre ajudaram as pessoas da região. Lembro que quando eu era criança, fiz amizade com o Mauri, um menino de rua. Eu e meus pais levamos ele para a escola, compramos material escolar e passamos a ajudar com mantimentos. Hoje, ele já faleceu, mas deixou dois filhos empregados e uma casa própria para a família.”, nos contou o Dr. Zilmo Antunes, cooperado da Unimed de Pará de Minas e o fundador do Natal Solidário.

O Projeto arrecada o valor de uma consulta de cada cooperado, que é descontada no pagamento de dezembro, para realizar uma festa de Natal em alguma comunidade de baixa renda. A festa conta com lanches, jogos, brincadeiras e um presente para cada criança. “O que mais chama a atenção na festa é a alegria das crianças. No último ano, tivemos um Papai Noel que veio em um helicóptero cedido por um empresário da cidade. Muitas comentaram que foi a melhor festa que já tiveram na vida.”, nos contou o Dr. Zilmo, que fez questão de frisar que sem a esposa dele, Maria Aparecida, e a doação voluntária dos cooperados esse projeto não seria o mesmo.

Dr. Zilmo procura levar a solidariedade também para a sua vida pessoal e transmitir isso para os seus filhos:

“Acho que a solidariedade está muito na criação. Eu vivi isso com os meus pais e continuo a praticar. A sobrinha da minha mulher teve diabetes muito nova e a mãe dela não tinha condições de cuidar. Nós adotamos a menina, que há alguns anos faleceu, mas deixou uma linda netinha, que hoje tem 14 anos e continua vivendo com a gente.”

Zilmo acredita que a solidariedade precisa estar mais presente não só na área da saúde, mas em tudo: “O governo tem que fazer a parte dele, mas a transformação está nas pessoas. Um amigo meu tem uma frase que eu adoro. Ele diz que nessa vida se a gente não fizer alguma coisa pelos mais necessitados, a gente vai passar despercebido.”

Ver comentáriosFechar comentários

Deixe seu comentário

Top