“Eu tremia e suava frio. A Cristiane, que é enfermeira na Unimed, falou para eu colocar a mão no meu coração e ver como ele estava descontrolado. Tive esse mal súbito outras vezes, do nada. Apesar dos exames não apontarem nenhum problema, o médico falou que eu precisava mudar o meu estilo de vida. Teve uma vez que fui em um restaurante aqui perto e o quilo era R$ 27,90. Meu prato deu R$ 27,00. Nessa época, eu pesava mais de 100 kg. “, nos contou Sérgio Nascimento, de 40 anos, que trabalha com Serviços Gerais na Unimed Barbacena. 

O mal súbito fez com que Sérgio mudasse radicalmente seu estilo de vida. “Comecei a chegar às 7h na Unimed e fazia exercícios no pátio sozinho. Também ia a pé para o trabalho. Teve uma vez que um amigo meu me perguntou se eu poderia ajudá-lo abrindo e fechando a porta da van e aí não precisaria pagar a passagem. Comecei a fazer isso, mas percebi que estava engordando e voltei a ir a pé. Não tem como conquistar algo sem persistência.”

De caminhada em caminhada, Sérgio começou a correr e a participar de várias provas na cidade. “Foi a Viviane, nutricionista na Unimed, que pagou a minha primeira prova de corrida. Sou pai de quatro filhos e não conseguiria participar sem ajuda financeira. Hoje, tem até fila de gente querendo pagar as provas para mim. Teve uma vez que já tinham pagado a minha inscrição e pagaram uma passagem para a minha esposa ir assistir. Tenho patrocínio da Unimed Barbacena e ajuda de todo mundo aqui na empresa. Criaram até um grupo no Whatsapp chamado amigos do Sergião.”

Sérgio já levou várias pessoas da Unimed para correr nas ruas de Barbacena. E gosta de contar a própria história para inspirar os colegas: “Nunca imaginei que iria correr 24 km como na última prova. Tinha um amigo meu que corria e eu achava ele doido. Gostava era de descansar. Só depois que a gente começa a praticar exercício que percebe como isso faz bem para a nossa vida. E o melhor é não esperar o mal súbito para agir, né?”

Ver comentáriosFechar comentários

Deixe seu comentário

Top