Leio as cartas uma por uma. Alguns pedidos são inusitados. Outras cartas me fazem chorar e não me deixam dormir. Criança que pede Toddynho na geladeira, cesta básica, que a única coisa que quer é que o pai volte para casa”, nos contou Magna Costa, Auxiliar de Relacionamento com o Cliente na Unimed Governador Valadares. ” 

A iniciativa de apadrinhar cartas de crianças enviadas para o Papai Noel começou há dez anos, quando Magna foi até o correio e pegou cinco dessas cartas. Comprou os presentes que as crianças pediram e enviou de volta para elas. Com o passar dos anos, Magna foi levando algumas cartas para os amigos do trabalho que também tinham interesse em ajudar. 

Hoje, a Unimed apoia a iniciativa de Magna e oferece para ela uma sala na empresa, nesta época do ano, para organizar as cartas e os brinquedos depois de passar em cada setor convidando as pessoas para ajudar. Magna também conta com o apoio da família, de amigos e vizinhos. Foi com a ajuda de tanta gente que, neste ano, ela contribuiu para o sonho de 730 crianças no Natal. 

“Eu sempre gostei de ajudar. Perdi meu pai e três irmãos em um acidente. Muita gente me acolheu e me apoiou. Quando eu penso que estou fazendo uma criança feliz, que estou ajudando um pai que não conseguiu comprar material escolar, que fui ponte para que outras pessoas também ajudassem, isso dá sentido para a minha vida. Acho que as crianças são anjos na terra. Todos nós precisamos estender a mão para elas. Transformar a vida de alguém é algo mais perto de nós do que imaginamos.”

Ver comentáriosFechar comentários

Deixe seu comentário

Top