Tag: Destaque

Dr. José Ribeiro, o médico com jornada dupla que também atende como Dr.Cobra

Conhecido por muitos como Dr. Cobra, já teve até ladrão que assaltou o vizinho e deixou de entrar na casa do Dr. José Ribeiro com medo do que iria encontrar no quintal. Ao menos, essa é história que circula entre os policiais. E o que não falta para o Dr. José, clínico e cardiologista na Unimed Pontal do Triângulo, são histórias para contar.

Seguindo os passos de seu pai, que também era um defensor dos bichos, o amor de José pelos animais começou quando ele ainda era criança. A formação em medicina permitiu que ele não só levasse esse amor para a vida adulta, mas também conseguisse ajudar os animais.

Hoje, em seu segundo turno, fora do hospital, o Dr. José cuida de filhotes, animais maltratados e acidentados que, na maioria das vezes, chegam até ele apreendidos pela Polícia Ambiental. Depois de tratados, alguns são soltos na natureza. Outros, mais perigosos, são encaminhados para instituições protetoras ou biomédicas.

O médico já cuidou de onças, cobras, micos, araras, lobos e por aí você pode imaginar. Na época em que vivia acompanhado de onças, quando a campainha da casa tocava, elas iam correndo até o portão. Apesar de estarem presas e não oferecem perigo, rendiam um belo de um susto nos visitantes.


Atualmente, o morador mais inusitado na casa do Dr. José é uma cobra píton que vive em um serpentário. Ela foi apreendida em um circo onde estava sendo maltratada. Hoje, está saudável e tem mais de 3m de comprimento. Ganhou até nome: Brad Píton! E não é a única a ser tratada como gente na casa do Dr. José. O Mico Jackson também não tem do que reclamar.

Os animais se apegam tanto ao Dr.Cobra que deixam ele cuidar de feridas e machucados sem ficarem arredios ou violentos. Ainda assim, é preciso estar preparado para emergências. Se não fosse médico, o Dr. José poderia ter sofrido graves consequências na vez em que foi picado por uma cascavel. Por sorte, descobriu ser o paciente mais calmo que já atendeu.

Dr. José acredita que ajudar os animais beneficia a sua vida como um todo. Com tantas aventuras ao lado dos bichos, o médico se tornou um grande contador de casos. E, contando histórias, faz amizade com todos que passam pelo seu consultório. Para Dr.José, estar perto da natureza faz o ser humano viver com mais alegria e esse sentimento se estende para o exercício da sua profissão e adiciona uma dose extra de afeto a suas relações.

Vanderlice, paciente da Unimed, descobre como encontrar tempo para mudar um hábito

Professora de inglês na Universidade Federal de Ouro Preto e responsável por projetos de educação em escolas públicas da cidade, Vanderlice Sól tem centenas de alunos que acompanha com muito carinho, é casada e tem três filhos. Aos 42 anos, ela sentia que só precisava de mais tempo para cuidar da sua vida pessoal.

Disponibilidade para fazer o famoso check-up? Nem nos sonhos! Ainda assim, Vanderlice pensava estar saudável. Só suspeitou que havia algo de errado quando começou a ter um cansaço anormal. Ao perceber que não poderia mais escapar dos exames de rotina, marcou uma consulta. Os resultados não foram tão bons. Abalada, ela decidiu fazer algumas mudanças de hábitos: parou de comer carne, cortou os alimentos que mais gostava, mas nada adiantou. Os resultados dos exames não apresentaram melhoras significativas.

Para tratar o problema, Vanderlice frequentou cardiologistas, nutrólogos, fez tratamento de homeopatia e participou de várias palestras sobre saúde na Unimed de Ouro Preto. Sempre incentivada pelo seu marido, Núncio, que é médico cooperado pela Unimed, e principalmente pela vontade de transformar a sua saúde, Vanderlice decidiu fazer algo que fosse prazeroso e que resultasse em qualidade de vida.

Já que vivia correndo na vida, calçou um par de tênis e começou a caminhar. Mesmo nos dias em que estava muito cansada, persistiu. Aos poucos, ganhou preparo e a caminhada virou corrida. Concorrendo, Vanderlice sentiu-se em casa. Desde então, nunca mais parou. Participou de campeonatos e maratonas em outras cidades. Fez trilhas na natureza e já completou percursos de mais de 20 km.

Com a corrida, ela medita, escuta música, pensa sobre a vida, planeja poemas e finalmente encontrou tempo para si mesma. Ao focar na saúde e não na doença, Vanderlice descobriu algo poderoso. Mudar um hábito vai além de um prontuário médico. É começar uma jornada tão prazerosa que o percurso torna-se mais interessante do que o destino.

Se antes Vanderlice não tinha tempo nem para um check-up, agora, que está literalmente correndo, encontrou tempo até para escrever poemas e pretende publicar um livro:

“Corrida e tempo

Corre o tempo

Corre a vida

Vida corrida

Vivo correndo

Corro vivendo

Por que não correr?

Ganho vida e tempo!”

Vanderlice Sól

Bárbara Fernandes, colaboradora da Unimed, e a veia bailarina

Aprendemos, ainda pequenos, que precisamos saber matemática, física, geografia, português e, inclusive, saber tudo isso em inglês. No meio do caminho, às vezes, nos esquecemos de algo tão importante quanto as disciplinas que passamos anos aprendendo. Por sorte, vez ou outra, encontramos pessoas que nos lembram de detalhes valiosos da vida.

Bárbara Fernandes tem vinte e cinco anos e hoje trabalha na área de atendimento da Unimed São Lourenço, mas a história dela com a Unimed começou há muito tempo. Com cinco meses de idade, Bárbara entrou para uma Casa Social em São Lourenço, onde ficou até os dez anos para que sua mãe pudesse trabalhar sem deixá-la sozinha.

A Casa tinha uma parceria com um programa da Unimed chamado Educação e Cultura. Com o apoio do programa, Bárbara fez coral, teatro e aula de dança.  Até hoje se lembra do que aprendeu com a coordenadora do Projeto: “se vocês não ganharem o campeonato de dança, não tem problema. O importante é ter aprendido um novo passo e aproveitado o caminho.”

Nove anos depois do campeonato, Bárbara passou em um processo de seleção na Unimed São Lourenço. Como era muito tímida, precisou mudar alguns comportamentos para trabalhar no atendimento da empresa e se lembrou de sua professora de dança. Talvez, para a vida, o que mais precisamos ter na bagagem é a capacidade de superar as dificuldades brincando. É ter uma veia bailarina. E não é que hoje o que Bárbara mais gosta de fazer é passar o dia em contato com outras pessoas?

Motorista no Programa de Promoção de Saúde e Colaborador do Pedal, Álvaro Queiroz nos ensinou que sonhos gostam de movimento

Álvaro tinha 15 anos quando entrou para o programa Jovem de Ouro da Unimed Inconfidentes. Nessa conta, já se passaram outros 15 anos. Hoje, ele é motorista de ambulância no Programa de Promoção de Saúde, profissão que ele ama. “Meu pai é motorista e eu sou fascinado com carros desde pequeno.”

Seu mundo sobre rodas não fica restrito ao trabalho. Nas horas vagas ele resolveu que queria continuar pilotando, mas desta vez escolheu a bicicleta.No Programa Colaboradores do Pedal da Unimed, além de praticar um esporte que gosta muito, ele vê a chance de incentivar outras pessoas na mudança de hábitos. “No meu caso, sempre gostei de andar de bicicleta e por ser algo prazeroso, não vejo dificuldades. Mas sei que tem gente que não tem tanto costume com o pedal. Mas um começa a pedalar e puxa o outro e de repente chegam mais dois, e assim por diante. De repente, somos muitos, todos em busca de uma vida mais saudável.”

Seja sob quatro ou duas rodas, Álvaro segue realizando seus sonhos na Unimed:

“É muito importante conviver com pessoas queridas e ter um emprego que gostamos para crescer na vida. Muitas vezes, a felicidade está na nossa frente, basta a gente ter um pouquinho de paciência e viver um dia após o outro.”

Então, fica o recado do Álvaro: um dia após o outro. Sempre em movimento.

Paratleta Marcelo Carmessano, patrocinado pela Unimed, é destaque em competições de canoagem

Apesar de sempre ter adorado praticar exercícios físicos, a ligação de Marcelo Carmessano com o esporte se tornou ainda maior depois de ter sofrido um acidente aos 36 anos. “Eu estava no rancho e pulei do píer. Minha cabeça bateu no fundo do rio. Quebrei a quinta vértebra da coluna cervical. Foi uma grande luta para os médicos me manter vivo. Depois de mais de 70 dias no hospital, saí de lá sem nenhum movimento do pescoço para baixo e sem perspectiva de melhoras.”.

Nessa época, Marcelo trabalhava como vendedor de laticínios em São Paulo e, nos finais de semana, tocava em bares e restaurantes da cidade. Com as consequências do acidente, ele precisou modificar todo o seu estilo de vida e encontrou no esporte adaptado uma forma de reabilitação. Dentre todos os esportes que conheceu, a vela e a canoagem fizeram o coração de Marcelo bater mais forte, e depois de quatro anos treinando, em 2013, ele participou do seu primeiro campeonato de canoagem. Desde então, já conquistou quatro vezes o Campeonato Mineiro, três vezes a Copa Brasil e três vezes o Campeonato Brasileiro no estilo canoagem adaptada. Hoje, também participa de provas de longa distância, no paraciclismo. Com uma cadeira de rodas adaptada, percorre trechos de até 25 quilômetros.

Desde o acidente, Marcelo vivenciou muitas dificuldades, mas também inúmeras conquistas: “Tive que reaprender a escrever, comer, me vestir sozinho. Reconquistei  o meu lugar na sociedade, construí uma nova família, conquistei títulos importantes. Hoje, sonho em participar dos Jogos Paralímpicos, que acontecerão em 2020 em Tokio.”. Para conquistar mais esse sonho, Marcelo tem se preparado bastante e a Unimed tem apoiado o paratleta financeiramente.

“Sem o apoio da Unimed, eu não conseguiria estar em todos esses eventos esportivos e também não seria possível me preparar tão bem, fazendo academia, natação, fisioterapia e  vários outros treinos. Sem a Unimed, eu não teria a minha equipe e sem equipe, não existe atleta.”

A história do Marcelo é uma lição sobre perseverança e transformação. E como ele mesmo disse: “Os obstáculos e dificuldades estão presentes na vida de todos e não só para as pessoas com algum tipo deficiência. Basta ter vontade para superar qualquer pedra que estiver no caminho.”


Casal do programa Idoso Bem Cuidado é inspiração para quem quer continuar aproveitando a vida na terceira idade

Ana Maria Silva e Joaquim Reinaldo Araújo são casados há 43 anos e a chegada da terceira idade não diminuiu o ânimo do casal, que nos ensinou lições valiosas. Bióloga de formação, Ana Maria hoje tem 63 anos e trabalhou como professora enquanto seu marido, hoje com 72, exercia a função de bancário. Em 2013, os dois decidiram que era o momento de ter uma vida mais tranquila e aproveitar a recém conquistada aposentadoria. Mas quem pensa que desde então eles passam todos dias de pernas para o ar está muito enganado. Participantes do programa Idoso Bem Cuidado, da Unimed, eles fazem de tudo para se manterem em forma, fisicamente e mentalmente.

“Eu nunca imaginei que um programa pudesse atender tanto às nossas necessidades. No Idoso Bem Cuidado, a gente pratica exercícios físicos para a terceira idade, joga palavras cruzadas, que ajuda muito na memória, participa do bingo e das festas de datas comemorativas, como festa junina e carnaval. Conhecemos muita gente! Gente que antes era desconhecida e hoje virou da família, sabe?”, nos contou Ana.  

Manter-se com a saúde boa foi a maneira que o casal encontrou para continuar aproveitando a vida: “Queremos estar em forma para viajar, porque não há coisa melhor. Recentemente, fomos para Vila Velha por uma empresa que começamos a trabalhar. Você acredita que começamos a trabalhar na empresa há cinco meses? Queremos ficar bem espertinhos para continuar alcançando as metas da empresa e viajar ainda mais.”

Nós ficamos encantados com a parceria desse casal e com o quanto eles estão aproveitando a vida na terceira idade. E é claro que eles deixaram algumas dicas para os jovens envelhecerem bem: “Tem que manter uma dieta saudável, fumar nem pensar e tentar não beber muito. Para um relacionamento duradouro assim? Menina, tem que amar muito, ser compreensivo, paciente e principalmente ter diálogo.”

Sonho de trabalhar com comunicação motiva jovem com deficiência

Com um nascimento prematuro, aos seis meses de gestação, Johnatha Ferreira ficou internado durante três meses sem nenhuma perspectiva de vida e se mostrou um guerreiro desde os primeiros instantes da sua história. Diagnosticado com Paralisia Cerebral Espástica e Hidrocefalia, Johnatha é atendido pela Unimed desde que nasceu e faz fisioterapia no Núcleo de Atenção à Saúde da Unimed Sudoeste de Minas há 3 anos. “Comecei a fisioterapia com um ano de idade e faço até hoje, aos 24. Durante muito tempo, o meu maior desafio foi o controle do tronco. Eu ficava tombando para os lados. Há 2 anos e 3 meses, consegui ter uma evolução muito significativa no tratamento com a minha fisioterapeuta, Adrielle Ronca. Hoje, consigo me manter equilibrado.”

Para além das conquistas no tratamento, Johnatha também se empenha em outras áreas. Estudou no Colégio São Francisco, em Passos, MG,  se formou como Técnico de Segurança do Trabalho e deseja ser um excelente profissional da área de comunicação.

“Eu amo comunicação desde criança. Um dos meus sonhos é apresentar um programa de rádio ou trabalhar na televisão. Gostaria de representar Guaranésia, minha terra natal, no cenário nacional e de lutar pelos direitos das pessoas com deficiência e da população carente. Acho que isso é um dos objetivos que mais me motiva atualmente.”

Para enfrentar os obstáculos que aparecem no caminho, Johnatha conta principalmente com o apoio da família e da fisioterapeuta. Também enxerga na Unimed uma grande aliada, “Sempre fui atendido com muito carinho pela Unimed. A minha história faz muito sucesso por aí.” Apesar de tão jovem, Johnatha aprendeu muitas lições sobre como superar obstáculos: “Temos que ter muita fé e não podemos abaixar a cabeça. Cada um de nós tem uma luta a ser vencida, só que de formas diferentes. Eu, por exemplo, nunca trabalhei, mas estou em busca de novos desafios. Já passou da hora de dar os meus pulos sozinho. Se souber de alguma vaga para pessoas com deficiência, me avise ou me indique? Estou em busca de uma oportunidade e seria um prazer trabalhar na Unimed em todo o Brasil!” Johnatha certamente faz muito sucesso por aqui e já faz parte da história de várias pessoas da equipe.


Movidos pelo companheirismo, mãe e filho transformam obstáculos em uma grande aventura

O amanhã é imprevisível. Algumas vezes, traz histórias que mudam a nossa vida para sempre. Foi assim com a Zilda e o Matheus, mãe e filho.  Aos 63 anos, Zilda sofreu um atropelamento. Menos de um ano depois, teve um câncer seguido de um AVC, que comprometeu seriamente a sua capacidade motora. “Eu tinha acabado de me formar e não sei de onde tirei forças para cuidar da minha mãe.”, contou Matheus, de 31 anos, que vive sozinho com Zilda desde os seis.

Com o acidente e as doenças, Matheus e Zilda começaram a buscar novas motivações. Uma das ideias foi entrar para o atletismo e, movidos por esse sonho, Matheus comprou um triciclo adaptado para a mãe. Por sorte ou destino, ele fazia academia no mesmo lugar de um profissional de marketing da Unimed, o Edson. Quando se conheceram, não houve dúvida de que aquela história se transformaria em uma parceria.

Desde então, a Unimed de São Sebastião do Paraíso oferece ajuda financeira com transporte, alimentação e inscrições para que eles possam participar de provas de corrida. Além disso, Zilda também recebe a visita periódica de um médico, uma enfermeira, um fisioterapeuta e uma nutricionista.

“A Unimed fez mais do que patrocinar as nossas corridas. As pessoas da equipe cuidam muito da minha mãe. Elas trazem palavras que não estão no contrato, como amor e carinho.”, contou Matheus.

Registro fotográfico da Corrida Unimed, realizada no dia 24 de junho de 2018, em Guaxupé, Minas Gerais.

Os dois também sonham em ter uma moto adaptada para viajarem por todo o Brasil e, claro, entrar mais uma vez no mar.

“Os maiores sonhos também são pequenos, como tomar sorvete na praça ou ficar deitado na cama ao lado da minha mãe dando risada. Cada momento é um sonho realizado. Quem tem esse tipo de amizade sabe do que eu estou falando.”, lembrou o filho de Zilda.

Matheus disse que se tornou mais forte depois de tantas aventuras e que adora compartilhar o que viveu e inspirar outras pessoas. “Eu?! Aprendi a ser mais humana e a dar mais amor para quem precisa.”, contou Zilda.

Top